segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Plástico Bolha

Este foi meu curta que fiz em meio dia sem verba e com a ajuda de amigos.
video

domingo, 9 de novembro de 2008

Claro Curtas

EEEEE!!!!!!
Meu curta metragem está entre os 20 finalistas no Festival Claro Curtas.
Meu trabalho foi selecionado entre mais de 1000 inscritos e é para mim uma satisfação poder mostrar pra você.

Vote em mim!!
http://www.clarocurtas.com.br/CURTAS/paginas/selecionadosCurtas.jsp


Bj
Maxx

segunda-feira, 21 de julho de 2008

Editora Impala - Lisboa 2003

Isso era o que eu fazia. Anúncios. Eu era um "criativo" da área.

Este era o fundo do meu desktop.

Cenário Teatro Raparigas de Fino Trato





Esse também foi em Lisboa em 2003. Na produtora da Thaius de Campos, a Arte6. O interessante é que fz uma opção com orçamento e sem, onde as paredes eram tapadeiras forradas de jornal. Sendo modular, podia encolher ou esticar dependendo do tamnho do teatro em que a peça iria se apresentar. Claro optaram elo jornal, que até rendeu o cartaz da peça. Sim, também fiz os figurinos. Giríssimos! O pá!

Lisboa 2003



Relembrando Lisboa em...
...Facismo Fashion.

domingo, 20 de julho de 2008

terça-feira, 24 de junho de 2008

Maxx In the Boxx




Estas charges foram também de canhota. Estou quase igual a antiga mão direita.

quarta-feira, 28 de maio de 2008

Fenomenal!!


Clique para ver grande!!!
Só falta agora lançarem o GayMe Boy do Fonhomen No!.

segunda-feira, 12 de maio de 2008

Ronaldões



ilustra para a revista Sexy

domingo, 11 de maio de 2008

Caso isabela







Quando me chamaram para fazer um info+Story-Board do caso Isabela. Topei na hora. A idéia era fazer um mega story. Fui às 16h para o jornal Agora, pegar informações e riscar a página. Verificamos que o auge da cena estava na queda, mas a história começava na garagem, subia até o andar e terminava no térreo. Sugeri fazer o edifício em 3D e puxar as informações dele. Queria fazer tudo numa cena só. Daí dividi os fatos que estavam pontuados em horas em grupos de cenários. Sendo: Garagem, Elevador, Apartamento, Queda e Resgate. Com isso facilitou muito sua confecção. Daí era só buscar um ângulo que fosse confortável para o leitor. Iniciei pelo prédio e estudei o melhor ângulo para abrigar as informações, depois trabalhei a luz para dar mais dramaticidade. Depois fiz as ilustrações no estilo clássico e monocromático me guiando pelas cores do prédio. Sabendo que TUDO, poderia mudar, os módulos nos confortávamos, pois por mais tudo fosse alterado, suas posições se manteriam, não causando muita confusão no fechamento. O resultado final ficou diferente, como esperado e previsto, mas como voces podem ver não mudou muito. Eu particularmente fique bem contente com o resultado. Parabéns a Samuca (editor de arte) pela liberdade e ousadia e a Veronese pelo apoio mais que necessário, assim como toda a equipe de jornalistas e editores que peitaram uma arte de página dupla. Que bom seria se todo dia fosse assim! Com certeza, daqui uns anos faremos isso apertando apenas uma tecla F5.

terça-feira, 29 de abril de 2008

Infólogo e a infologia



O dia em que tudo virou info. Não sei o dia ao certo, mas me lembro quando era criança e comecei a desenhar super-heróis, era o início de um ilustrador, assim como quando comecei a copiar os desenhos da revista Mad, nascia o caricaturista, ou quando fazia esculturas de barro dos personagens da novela Roque Santeiro, despertava o escultor, ou quando fazia quadrinhos, pegava o feeling do diagramador.
Bem mais tarde, quando "aprendemos" composição, harmonia, secção áurea e segmento áureo, desenhando frutas, circulos, cubos e pirâmides, e realizávamos lindos desenhos e nos sentíamos verdadeiros artistas, mas nem imaginaríamos quão complexo se tornaria uma composição numa revista ou jornal. Mas depois de alguns anos trabalhando com isso, e acompanhando os avanços em softwares que fazem o papel deste "artista" do passado, vemos que o trabalho se reduz a "alinhar e distribuir textos e imagens seguindo o projeto gráfico da empresa". Simplista demais? Sim, é isso mesmo. Num clic de organiza tudo muito mais fácil. O que quero dizer, não é que a vida ficou mais fácil, nem que o artista morreu. Mas nos anos 80, quando diagramava com past-up e cola de benzina, nos referíamos aos infográficos de outra maneira. Vou explicar:

Ilustração técnica: Quando tínhamos uma planta de uma casa em perspectva, a visão interna de um navio, a trajetória da gasolina em um motor, um carro em raio-X, aqueles manuais de vendedor, primeiros socorros com situações no estilo passo-a-passo. Hoje chamamos tudo isso de infográfico.

Ilustração científica: Quando fazia a evolução de Darwin, ou aqueles visual-aid para os laboratórios médicos, com ilustrações de pulmão, o corpo humano em geral, feitas no bico de pena, canetinhas Rotring, Leroy e pra caprichar, paspatour e papel manteiga ou vegetal p/ proteger. A lagarta que vira borboleta, a cadeia alimentar. Hoje chamamos tudo isso de infográfico.

Ilustração realista: Me lembro dos meus ídolos Hajime Sorayama, Boris Valejo, Benício, Hector Gomes Alísio, e o abuso do aerógrafo. Derramei muita ecoline em papéis Fabriano, Schweller, Opaline, máscaras adesivas, líquidas. Hoje se abusa no que há de sofwares que facilitam sua confecção. 3DMax, Cinema 4D, Poser, Blender, Dimention, Skectch-up... Quando bem feita, quase não se percebe o software. O truque é usar a maior quantidade deles e dar um grau no Photoshop ou na mão, pra quebrar um pouco. Por vezes pode ser substituído por uma ilustração realista, cartum, foto-montagem, colagem. Vai muito do gosto do editor e do projeto gráfico. Mas quando se opta por realismo, quase sempre se pensa em 3D. Aquele rosto com informações sobre quantas cirurgias se fizeram (botóx, peeling, fios de ouro), Aquele organograma dos funcionários em visão isométrica, Aquela esfinge, ou pagode japonês com informações ao lado sobre suas peculiaridades. Muitas vezes a ilustração realista ou é técnica ou científica. Hoje chamamos tudo isso de infográfico.

Gráfico: Uma tabela nutricional, um homem escalando um gráfico. Um gráfico de barras em forma de cigarro. Um saldo de gols de um campeonato, O resultado do jogo do bicho (saía no jornal da tarde). Hoje chamamos tudo isso de infográfico.

Mapas: Onde fica tal coisa, Como chegar a nossa empresa, onde foi o acidente, a cidade feita em cartum, a tragetória da São Silvestre, por onde passará o Papa-móvel. Circuito de fórmula 1. Hoje chamamos tudo isso de infográfico.

É quando um editor se vira pra mim e pergunta:
- Você sabe fazer infográfico?

Eu respondo:
- Sei fazer ilustração científica, técnica, realista, gráficos, mapas, sei diagramar, pois sei composição e domino uma grande parte de sofwares que existem no mercado.

Daí, ele diz:
-Tá bom, mas infográfico você já fez um?

Daí, enquanto respiro fundo, penso numa outra resposta;
- Já, mas dei descarga.

E escolho terminar o papo com:
- Eu faço um info e te mando pra você ver. Ok?

Moral da história: Um bom info, não se faz sozinho. Se faz com a santíssima trindade: Editor de arte, Jornalista e Artista.
O peso de cada um equilibrado é a formula do sucesso.
Não adianta ter uma linda ilustração se a leitura é confusa, ou é carente de informação. Assim como o inverso.
O papel do editor é fundamental, ele deve ouvir ambas as partes e fazer a fusão municiando o ilustrador de informação, referências e o jornalista de senso de espaço e composição. Como um maestro. Nada está nas mão de um só. Se um trabalho pouco, comprometerá todo o info.
Se falta informação, vira um desenho com textos em volta.
Se falta criatividade, fica um info gratuito, sem propósito.
Se falta unidade, compromete o projeto gráfico.

terça-feira, 1 de abril de 2008

Porreta!! Maxx no Nordeste


Saiu em João Pessoa - PB. Em Breve aqui em Sampa.

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

sábado, 2 de fevereiro de 2008

CiberDesigner - moderninho...


Esta foto foi feita pelo fotógrafo roqueiro Fernando Gardinale. Se a sua foto ficar mal, tome um Gardenal!! Eu recomendo!!